Tapera.Net - blog@tapera.net
segunda-feira, 23 de dezembro de 2013
O Natal mudou?

Podemos concordar ou discordar. Mas poucos de nós ficamos apáticos às mudanças que vem acontecendo com a data mais festejada do calendário brasileiro: o Natal. O Natal é o mesmo que se vivia há alguns anos atrás ou nós é que mudamos e achamos que o Natal mudou?  O advogado, professor e ex-governador de São Paulo, Claudio Lembo, dá o seu ponto de vista:

Mudou o Natal. Já não é esperada com ansiedade a Missa do Galo, aquela realizada na noite de vinte e cinco de dezembro. As famílias dirigiam-se piedosamente aos templos para assistir a cerimônia religiosa. Caminhavam com fé e ansiosas pela mesa farta que iriam encontrar no retorno aos lares.
Poucos, hoje, têm coragem de se apresentar nas ruas das grandes cidades brasileiras à meia noite. É tentativa de suicídio. No mínimo se sujeitará a um furto, quando não a um latrocínio.
As crianças – ponto essencial do Natal – já não se debruçam encantadas perante os presépios. A singeleza das pequenas figuras de terracota já não sensibilizam. Optam por um bom “game”.
É melancólico. Na internacionalização dos costumes, os valores autênticos de nosso passado foram superados. Venceram figuras estranhas. Alheias aos nossos antepassados.
Os meios de comunicação de massa produziram uma grande erosão nas tradições pátrias. As festas religiosas, na sua espontaneidade, foram substituídas por espetáculos de duvidosa qualidade.
Em resumo, “avacalharam” os bons e antigos hábitos do Natal brasileiro. Pode ser saudosismo. Talvez, seja. É preciso, contudo, apontar para a degradação do tempo presente.
Dirão ser as mudanças de costumes próprios das sociedades. Estas estão sempre em evolução. Esta, porém, deve ser para melhor. Não é certamente o que acontece com o Natal.
Tornou-se apenas um acontecimento comercial. A obrigação de presentear. A essência da comemoração foi inteiramente esquecida. Poucos se refugiam nos valores intrínsecos desta festa religiosa.
Retornou-se a velha Roma, nos tempos de Constantino, quando a Festa do Sol, comemorada pelo paganismo, por simbiose, converteu-se na Festa do Sol da Justiça, como se referia o profeta Malaquías ao nascimento do futuro Messias.
A vida contemporânea perdeu seus aspectos espirituais. Uns poucos conservam as práticas de seus ancestrais. A maioria – imensa maioria – encontra-se vocacionada para um materialismo sem causa.
É um materialismo sem qualquer especulação filosófica. É a mera transformação da pessoa em agente de consumo e da utilização do corpo para alcançar todas as formas de prazer.
Avança-se assim para o desenfreado consumo de drogas e bebidas alcoólicas. O corpo humano torna-se mero objeto de consumo. O bom é infringir todas as regras de comportamento.
Neste cenário, tudo se transforma em uma arena sem normas. Perderam-se os valores históricos. Foram transformados em simples hábitos de consumo.
É claro que os reflexos desta situação, na vida política do País, são inevitáveis. Os agentes públicos – com honrosas exceções – avançam sobre o erário sem qualquer escrúpulo.
Querem se locupletar. Ninguém mais pretende servir à comunidade. Os cargos públicos, antes lugar ocupado pelos homens de bem, agora, por vezes, neles se instalam malfeitores.
A situação preocupa. Não é só brasileira. Esta presente, em graus variados, em muitas sociedades. Aqui, pela perda da identidade comum, as coisas se agravam.
O Natal já não é mais o mesmo. Transformou-se em mero “shopping center” de consumidores paganizados.



Postado por WM Internet as 18:16 e tem 3 comentarios
3 Comments:
Anonymous Anônimo disse...

totalmente corretas as citações do texto, o Natal, foi paganizado, não é mais comemorado como o nascimento de Cristo, redentor da humanidade, deixaram Jesus de lado para por na mesa lautas ceias, deixaram Jesus de lado para por o papai noel como benfeitor, no nascimento de Jesus os reis magos ofertaram presentes a Jesus, hoje Jesus está representado na terra pelos pobres e necessitados, deveriamos dar auxílio para estas pessoas sempre, pois assim estariamos presenteando a Jesus, o verdadeiro merecedor de honras, não figuras pagãs, e pq não dizer satânicas, pois roubam o lugar de Jesus no coração das pessoas

23 de dezembro de 2013 18:36  
Anonymous Anônimo disse...

Síntese exata na sua essência. A era moderna e digital exacerbou o ceticismo das pessoas em relação às crenças em especial a natalina. Além do apelo das mídias ao consumismo extremo que a data exigiria.

24 de dezembro de 2013 08:56  
Anonymous Anônimo disse...

Vou tomar um trago neste natal em protesto!

24 de dezembro de 2013 10:47  

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários com palavrões e acusações pessoais. Por favor colaborem.

Voltar ao blog



Posts mais recentes Posts mais antigos




 
Google
 

 




 

Últimos Posts

Troca de notas para sorteio do Show de Prêmios irá...
Mãe do piloto Claudio Ricci é enforcada por assalt...
Uma lição de honestidade, generosidade e desportiv...
Acidente na ERS142 deixa uma vitima fatal
Papai Noel às avessas - Papai Noel rouba R$ 2,2 mi...
Hora de agradecer!
Caminhões terão restrição de horário para trafegar...
Encenação de Natal aconteceu ontem em frente a Igr...
Trecho da BR-101 em SC é o mais perigoso entre as ...
Sr. Dinheiro diz que bolha imobiliária vai estoura...

Arquivos

Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Dezembro 2012 Fevereiro 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

 

 


WM INTERNET
Blog Home V?o Pol?ca Cidade Pol?a Eventos Obitu?o